Correlação entre Localbitcoins e países com alta inflação

A Localbitcoins é a bolsa de Bitcoin mais antiga e mais popular no mundo, com o volume de negócios aumentando de menos de US$ 100.000 por semana em 2012 para mais de US$ 50 milhões por semana atualmente. Como podemos acompanhar aqui, com os dados da Coin.Dance e saber um pouco mais no nosso primeiro artigo sobre a Localbitcoins aqui.

Na Localbitcoins, compradores e vendedores atuam diretamente entre si, usando vários métodos de pagamento fiduciários, desde transferências bancárias até cartões-presente.

Aqui, discutiremos os países com um volume de negociação via Localbitcoins em rápido crescimento. Não por acaso são geralmente países que estão passando por crises inflacionárias ou países que promulgaram severas regulamentações sobre o comércio de Bitcoin, deixando a negociação peer to peer como a única opção. Como é o caso da Venezuela(leia aqui)e o Irã(leia aqui).

É bom primeiro olhar para o volume de negociação d aLocalbitcoins nos Estados Unidos antes de identificar os países sem as tendências comuns de volume. O Bitcoin é legal nos Estados Unidos, e os Estados Unidos talvez tenham a menor taxa de inflação do mundo, de 2 a 3%, já que o dólar é a base do sistema global de moedas fiduciárias. O volume negociado na Localbitcoins nos Estados Unidos subiu gradualmente para US$ 10 milhões por semana durante o pico do rally Bitcoin de dezembro de 2017 e desde então se estabilizou para US$ 6 milhões por semana.

Os países com moedas fiduciárias relativamente estáveis ​​seguem essa tendência de um alto volume de todos os tempos durante o pico do rali de 2017, seguido por um declínio gradual durante o mercado de urso de 2018. Isso inclui Austrália, Canadá, União Europeia, Hong Kong, Malásia, Nova Zelândia, Cingapura, Suíça e Reino Unido.

Os países da América do Sul, onde as pessoas usam o Localbitcoins, estão vendo um volume de rápido crescimento ao longo de 2018, a despeito da baixa que o mercado vivenciou todo esse ano, e isso parece ser devido a uma crise de inflação fiduciária em todo o continente.

Na Argentina, o volume de negociação da Localbitcoins aumentou de ARS 1 milhão para ARS 9 milhões desde o início de 2017. O Peso Argentino (ARS) experimentou simultaneamente uma inflação de 140% em relação ao dólar. A hiperinflação do ARS em si não produz o aumento de 9X no volume de negociações de Localbitcoins, então, claramente, a quantidade real de negociação de Bitcoin peer to peer na Argentina também está aumentando rapidamente graças à hiperinflação fiduciária.

A Venezuela está experimentando a crise de hiperinflação mais conhecida no mundo atualmente, com uma taxa de inflação superior a 400.000%, segundo o Índice Cafe Con Leche, e um colapso total do Sovereign Bolivar (VES), aparentemente iminente.

O volume de negociação na Venezuela está aumentando exponencialmente, de 8 mil no início de 2017 para 3,8 bilhões de reais atualmente. É provável que grande parte desse aumento de volume possa ser explicado pela adoção das cryptomoedas que proliferam em toda a Venezuela, à medida que seus cidadãos transferem seu dinheiro para cryptomoedas, a fim de se protegerem contra condições hiperinflacionárias catastróficas. O volume de negociação da Localbitcoins na Venezuela em termos de Bitcoin confirma isso, com o volume aumentando de 274 Bitcoins no início de 2017 para 1.743 Bitcoins atualmente.

O Chile também está vendo um aumento constante no volume de negociações de Localbitcoins em termos da moeda fiduciária nativa do Peso Chileno (CLP). Durante o pico do volume de rallys do Bitcoin em 2017, alcançou 213 milhões de libras por semana, e em novembro de 2018 o volume negociado foi de 243 milhões de CLP. Desde abril de 2018, o CLP teve uma inflação de 19% em relação ao dólar americano. Em 2016 e 2017, o CLP estava realmente se fortalecendo em relação ao dólar, então a tendência de inflação no Chile é relativamente nova.

A Colômbia viu o volume de negociações de Localbitcoins aumentar rapidamente de COP 230 milhões no início de 2017 para COP 8,13 bilhões por semana em novembro de 2018. Simultaneamente, houve 13% de inflação do Peso Colombiano (COP) em relação ao dólar desde o início de 2017.

O volume real de Bitcoins subiu de menos de 100 Bitcoins por semana no início de 2018 para mais de 650 atualmente. Como a Colômbia é o vizinho da Venezuela, talvez esse aumento no volume da Localbitcoins tenha algo a ver com os venezuelanos que obtêm os Bitcoins de que necessitam na Colômbia.

No Peru, o volume de negociações semanais da Localbitcoins aumentou de forma constante de 60.000 PEN no início de 2017 para 3.145 milhões PEN em novembro de 2018. Simultaneamente, o volume de Bitcoins subiu de menos de 20 Bitcoins por semana para 236 Bitcoins. O Sol Peruano (PEN) registrou inflação de 10% em relação ao dólar em 2018.

No geral, está claro que a inflação fiduciária na América do Sul não se limita à Venezuela. Argentina, Chile, Colômbia e Peru também estão experimentando inflação decrescente e um grande aumento na adoção do Bitcoin. Graças a isso, parece que a América do Sul será um hub continental para adoção das cryptomoedas nos próximos anos.

O Brasil mostra uma inflação dentro da meta e não tem mostrado muita pujança na sua adoção e negociação de Bitcoin em relação aos demais países da América do Sul.

A Rúpia Indiana (INR) teve 11% de inflação em relação ao dólar desde o início de 2018. A maior história na Índia em relação ao Bitcoin é que o Banco da Reserva da Índia proibiu o uso de contas bancárias para a atividade Bitcoin, que por sua vez proibiu as exchanges. Isso causou um aumento nas negociações na Localbitcoins, que ainda são legais, de INR 48 milhões por semana em maio de 2018 para INR 122 milhões em novembro. Há alguma especulação de que a Índia tornará o Bitcoin completamente ilegal como o vizinho Paquistão.

A paralisação das sanções internacionais contra o Irã foi anunciada em setembro de 2018 e implementada em novembro, em resposta ao fato de o Irã ter quebrado seu tratado nuclear. O Rial Iraniano (IRR) registrou uma inflação de 430% em relação ao dólar, passando de IRR 36.000 por USD no início de 2018 para IRR 190.000 por USD em setembro. No entanto, o líder supremo, o aiatolá Ali Khamenei, ordenou que tudo fosse feito para fortalecer a TIR, e o mercado livre terminou naquele momento. Os comerciantes de divisas foram executados, fazendo com que os vivos sentissem com medo de ofertar a TIR menor, e o Bitcoin tornou-se ilegal para evitar a saída de capital. O volume de transações de localidades à vista subiu durante a crise de hiperinflação de setembro de 2018, mas atualmente está caindo rapidamente devido aos riscos associados à negociação de Bitcoin no Irã.

A Rússia certamente teve um pico de volume de negócios em Localbitcoins durante o pico do rali de Bitcoin de 2017, mas em geral, o volume está subindo consistentemente do Rublo Russo (RUB) 750 milhões por semana em abril de 2018 para RUB 1 bilhão por semana atualmente. Isso coincide com a inflação de 21% do RUB em relação ao USD durante o mesmo período de tempo.

O vizinho da Rússia, ao sul, e a antiga parte da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, Cazaquistão, também observam um alto volume de negociações de Localbitcoins em 2018. O Tenge do Cazaquistão (KZT) registrou 17% de inflação desde abril de 2018 em relação ao dólar.

Os dados de volume de negociação da Localbitcoins mostram que o comércio de Bitcoin entre pares está aumentando em todo o mundo em vários países, mesmo durante a baixa de 2018, e isso é frequentemente associado à hiperinflação fiduciária.

Em geral, acredita-se que, se a hiperinflação se tornasse um problema nos Estados Unidos e na União Européia, o Bitcoin teria a chance de se tornar a principal moeda global. A crise de hiperinflação que está sendo observada em vários países do mundo fornece um vislumbre do que a transição de fiat para Bitcoin pode parecer. Em alguns países, há uma transição “suave”, com o volume de Bitcoin aumentando à medida que o fiduciário entra em colapso, enquanto outros países experimentam uma transição difícil na qual o Bitcoin é ilegal, dificultando a medição da adoção do Bitcoin.

Invista em Bitcoin na melhor corretora do Brasil: Bitcointrade

Siga-nos no Telegram   no Instagram  no Twitter

Empreendedor, Cientista de Dados e cryptopesquisador.

%d blogueiros gostam disto:

Nossa Newsletter

Inscreva-se para a nossa newsletter!

[mc4wp_form id="1627"]