Rede do Bitcoin em órbita – Projeto Blockstream

O Blockstream Satellite, um projeto inovador que transmite o blockchain do Bitcoin do espaço, anunciou que fornecerá cobertura global e uma API de acesso atualizada que estará disponível em janeiro de 2019 .

Os novos serviços interativos permitirão que os usuários transmitam suas próprias mensagens através da rede de satélites em todo o mundo.

“Embora as comunicações por satélite sejam tradicionalmente proibitivas em termos de custos, a Blockstream Satellite permitirá que os desenvolvedores adotem as comunicações via satélite em seus aplicativos”, disse Chris Cook, chefe do projeto Blockstream Satellite.

Com a nova API abrirar-se a possibilidade de novos aplicativos, como notificações de desastres naturais, mensagens pessoais seguras e envio de dados do mercado de Bitcoin para locais remotos.

Cobertura de expansão

A Blockstream Satellite cobria a América do Norte e do Sul, a Europa e a África. O acréscimo da região Ásia-Pacífico ao satélite oferece acesso gratuito a algumas das áreas mais populosas do mundo. Agora, isso significará que todas as mensagens enviadas pela rede atingirão quase qualquer pessoa no planeta.

A atual implementação do Satellite pela Blockstream é realizada em uma alocação de largura de banda alugada, com quatro satélites cobrindo a transmissão de dados através das Américas, Europa e África. Com a segunda fase de lançamento hoje, a rede passará para a cobertura global total em todos os continentes.

O projeto deve fornecer estabilidade de rede usando um método alternativo para receber o blockchain do Bitcoin que não é afetado por falha de conexão (como em um ISP regular). Isso protegerá os usuários contra interrupções de rede e impedirá que qualquer nó completo fique isolado ou particionado na rede.

Como de fato, isso funciona?

As estações terrestres de satélites Blockstream (conhecidas como teleportos) participam da rede de satélites transmitindo blocos para satélites geossíncronos. Após essa transmissão, os satélites geossíncronos recebem o sinal dos teleportos e transmitem-no através de uma ampla porção da Terra.

A partir desta transmissão, qualquer pessoa na área de cobertura com uma pequena antena de satélite e um receptor USB de baixo custo pode receber esses blocos e garantir que seu nó Bitcoin esteja sempre em sincronia.

Com tudo isso funcionando, a rede de satélites Blockstream agora forma um anel ao redor do planeta para garantir que a rede Bitcoin tenha redundância total de qualquer negação potencial maliciosa de invasores do tipo de serviço.

O Blockstream Satellite permite o recebimento passivo, de modo que não há praticamente nenhuma pegada de tráfego de internet, permitindo que seu ISP ou empresas de monitoramento analisem a rede Bitcoin para rastrear seu nó.

Para locais onde a internet de alta velocidade é cara ou não está disponível, eles podem conectar as carteiras dos smartphones via Wi-Fi ou meshnet aos nós de satélite e transmitir transações via gateways SMS como SMSPushTX, Pavol Rusnak ou bidirecional Ku ou L-band (disponíveis comercialmente e não relacionados à Blockstream Satellite) que podem ser caros, mas mesmo os mais caros a US$ 10 / MB funcionam com menos de um centavo por transação, pois as transações com Bitcoin são pequenas.


Cryptografia adequada


Os usuários pagarão quaisquer taxas pelo envio de mensagens com o Satellite por meio da Lightning Network do Bitcoin. O Lightning não só permite microtransações por kilobyte, como também a tecnologia “onion-routing” permite que os usuários protejam com segurança suas identidades.

Combinada com a criptografia adequada, a Blockstream Satellite API permite transmissões totalmente privadas, em que nem o remetente nem o destinatário nem o conteúdo de uma mensagem são conhecidos da Blockstream ou de terceiros.

A ideia de se transmitir o blockchain do Bitcoin para todo o planeta a partir de satélites no espaço já havia sido proposta por Jeff Garzik, mas a implementação da Blockstream introduz alguns ajustes interessantes: ela conta com satélites comerciais já existentes em órbita e usa software de código aberto, o GNU Radio e FIBRE, para reduzir custos. Mas uma vez o movimento open source mostra seu extremo valor para o desenvolvimento do Bitcoin. Desde suas origens.

Acompanhe e contribua com o projeto, através de sua conta no Github.

Invista em Bitcoin na melhor corretora do Brasil: Bitcointrade

Siga-nos no Telegram   no Instagram  no Twitter

%d blogueiros gostam disto:

Nossa Newsletter

Inscreva-se para a nossa newsletter!

[mc4wp_form id="1627"]