O incremento das stablecoins para mercado de cryptomoedas

O que é um Stablecoin?

Nos últimos dois anos, tem havido um crescente interesse em blockchain como uma tecnologia para compartilhamento de dados e rastreabilidade em indústrias que vão desde remessa, a alimentos, a diamantes. Houve também uma onda de ofertas iniciais de moeda(ICO), com mais de US$ 20,6 bilhões arrecadados este ano.

A recente volatilidade do Bitcoin e outras cryptomoedas tornou muito mais difícil adotá-los ativamente ​​como mecanismo de pagamento. É difícil imaginar um recurso tão imprevisível sendo usado para pagar salários de funcionários, comprar bens ou serviços ou pagar aluguel. Esta tem sido a principal crítica e alegação para não haver adoção como pagamento. Mas há controvérsias, naturalmente.

Mas, além desses exemplos, que hoje são bem administrados pelo sistema financeiro tradicional, a demanda por formas totalmente novas de pagamento está aumentando. Nossos dispositivos precisarão transacionar uns com os outros, criando pagamentos do tipo “coisa a coisa”, para efetivamente cumprir a função para a qual foram projetados, por exemplo. veículos autônomos que pagam pela cobrança, ou processos artificialmente inteligentes que pagam pela energia de computação conforme necessário. O projeto IOTA, por exemplo, preconiza um futuro assim. Onde as máquinas, realizarão transações M2M(Machine to Machine), em redes IoT e conectados via 5 G.

O atrito inerente ao sistema tradicional de pagamentos – o custo e o tempo necessários para fazer uma transação – não tem favorecido as principais cryptomoedas, como Ethereum ou mesmo o Bitcoin devido sua falta de escalabilidade para processar informações em tempo real, tornando impraticável esses tipos de transações. Mas um stablecoin, um ativo digital atrelado ao preço do dólar americano ou de outra moeda, pode permitir essas transações. Uma stablecoin oferece muitas das vantagens encontradas nas cryptomoedas, mas sem a volatilidade associada ao Bitcoin.

O princípio de uma stablecoin é muito simples,-  trata-se de um ativo digital apoiado por  ativos tradicionais, como moeda fiduciária ou ouro. Por exemplo, se uma moeda estiver atrelada ao dólar americano, então, para cada moeda emitida, US$1 é mantido em uma conta bancária. Ou, se a moeda estiver atrelada ao preço do ouro, então, para cada moeda emitida, há uma quantia fixa de ouro mantida em um cofre.

Este tipo de stablecoin é relativamente fácil de criar e entender. Mas os riscos de uma moeda tradicional garantida por ativos estão relacionados à confiança e à centralização. Para que uma stablecoin mantenha seu valor, o mercado deve acreditar que o número total de moedas emitidas é garantido 100% pelos ativos tradicionais mantidos. Isso requer confiança na organização que apóia a moeda e deixa a moeda vulnerável a fraudes perpetradas por ou contra essa organização. Além disso, o mercado precisa confiar que, no pior dos cenários, os detentores de moedas estáveis ​​podem trocar suas moedas estáveis ​​pelos ativos tradicionais.

A Tether (USDT) é uma stablecoin atrelada ao dólar dos EUA. Com uma capitalização de mercado de mais de US$ 1,75 bilhão e negociação diária alcançando bem acima disso, é facilmente a stablecoin mais valiosa e amplamente utilizada atualmente.

Preocupações sobre a disposição da Tether de produzir uma auditoria de suas contas bancárias, rumores persistentes de que não há fundos suficientes e dificuldades em auditar as posições em conta da Tether tem deixado o mercado em pânico. Como já noticiamos aqui em primeira mão. 

Stablecoins também dependem do apoio de outro ativo, mas nesse caso a garantia é uma cryptomoeda como Bitcoin ou Ether. Esse tipo de stablecoin é menos centralizado do que uma moeda tradicional lastreada em ativos, porque os cryptoativos mantidos como garantia podem ser bloqueados em contratos inteligentes. Esses ativos não estão sujeitos às mesmas vulnerabilidades que as garantias tradicionais dos ativos fiduciários.

No entanto, os cryptoativos são altamente voláteis, de modo que as stablecoins precisam de uma maneira de reter seu valor e, portanto, sua estabilidade depende da manutenção dos ativos bases, mesmo durante os períodos em que o valor dos ativos subjacentes caem drasticamente.

Um exemplo é MakerDAO que produz a stablecoin Dai, que está atrelada ao dólar dos EUA. Os contratos inteligentes MakerDAO permitem que as pessoas depositem Ether e recebam Dai até um máximo de dois Dai para cada US$ 3 de Ether depositado. Se o valor do Éter depositado cair e se aproximar desse índice máximo, o proprietário do contrato inteligente é incentivado a aumentar a quantidade de Ether depositada – ou arriscar que o contrato seja assumido e encerrado por eles, juntamente com uma taxa de penalidade associada.

Esse mecanismo permitiu que a Dai mantivesse ampla paridade com o dólar americano desde sua criação no final de 2017, mesmo com as grandes quedas no valor de Ether no início de 2018.

Algoritmos de Fornecimento

O tipo final de stablecoin mantém sua estabilidade principalmente combinando a oferta à demanda. Estes são mecanismos econômicos complexos, particularmente para reduzir a oferta se o preço da moeda começar a cair.

Interesse crescente

Nos últimos três anos, a empresa de pagamentos Circle, que detém uma BitLicense do Departamento de Serviços Financeiros de Nova York e uma licença de dinheiro eletrônico no Reino Unido que atualmente é a dona da corretora Poloniex, como reportado aqui nesse portal, arrecadou mais de US$ 240 milhões. Estes fundos incluem, uma rodada de 50 milhões de dólares, liderada pela Goldman Sachs. No final de setembro deste 2018, a Circle lançou o USDC, uma stablecoin tradicional, com base em ativos e indexados ao dólar.

Também em setembro, US$15 milhões foram investidos pelo fundo crypto da a16z da Andreessen Horowitz na MakerDAO, apoiando a Dai.

A Huobi, terceira mais corretora do mundo, possui um estoque considerável de TUSD e tem visto um aumento considerável das transações no par TUSD/USDT, como reportamos aqui nesse portal em primeira mão.

O dólar Gemini (GUSD) – a primeira stablecoin regulada do mundo – agora é suportado nas seguintes bolsas:

O GUSD também passou a ser suportado pelas seguintes plataformas:

O token é padrão ERC20, portanto compatível com qualquer carteira feita para tokens baseados na plataforma Ethereum. A Gemini com isso busca uma adesão rápida do seu token em todos os serviços que utilizem esse formato e dApps.

Invista em Bitcoin na melhor corretora do Brasil: Bitcointrade

Siga-nos no Telegram   no Instagram  no Twitter

Empreendedor, Cientista de Dados e cryptopesquisador.

%d blogueiros gostam disto:

Nossa Newsletter

Inscreva-se para a nossa newsletter!

[mc4wp_form id="1627"]