Cryptoativos: O novo mundo está começando a se parecer muito com o antigo

Esqueça o que você ouviu. Apesar do sentimento negativo e da baixa continuada, o ecossistema de projetos baseados em blockchain, tem experimentado um rápido crescimento e maturação. O foco no preço dos tokens listados publicamente em exchanges, como indicativo sobre o cenário, é equivocado para se analisar a saúde do ecossistema. Neste trimestre, vimos um aumento em  projetos corporativos de blockchain e anúncios regulatórios favoráveis. Apesar da baixa do Bitcoin e das demais cryptos à reboque.


Embora o mercado continue  amargando um longo “inverno”, o capital de risco e as fusões e aquisições atingiram novos recordes. 343 ICO’s levantaram cerca de US$ 1,8 bilhão este ano em capital de risco. À medida que as finanças tradicionais avançaram, o interesse dos investidores no varejo das cryptomoedas caiu. No segundo trimestre, vimos – pela primeira vez – uma queda trimestral em relação ao valor captado através de vendas de tokens. Embora o total arrecadado através de vendas de tokens tenha ultrapassado o de 2017, o valor é significativamente inflacionado pelos ICO’s da EOS que levantou US$ 4 bilhões e de US$ 1,7 bilhão do Telegram que não foi pública.


A esperada recuperação do Bitcoin nos próximos meses, devido a rumores de um fundo negociado em bolsa (ETF), pode levar os investidores de varejo a manter seus tokens em vez de investir em novos projetos. No entanto, assim como a indústria tradicional de investimentos, estamos começando a ver diferentes participantes com diferentes perfis de risco e prazos de retorno. Os projetos Premium estão escolhendo uma combinação de capital para garantir um conjunto mais diversificado de participantes e assim aumentar a probabilidade de projetos mais sustentáveis. 

advento das cryptomoedas, a tecnologia blockchain e os contratos inteligentes inauguraram uma forma ainda mais eficiente para os empreendedores levantarem capital sem o uso de um intermediário ou muitas regras aplicáveis às IPO. Por exemplo, a ICO do Telegram, embora fosse acessível ao público, não apenas a investidores credenciados, o aplicativo arrecadou US$ 850 milhões, marcando um dos maiores eventos de arrecadação de fundos na história da tecnologia, como já reportamos aqui nesse portal.

No espaço do blockchain e ledger distribuído (DLT), as empresas continuam experimentando e implantando soluções blockchain em seus serviços. É importante frisar que o blockchain é mais uma invenção econômica que somente tecnológica, como já reportamos aqui nesse portal. Desde o Walmart integrando blockchains a suas cadeias de suprimento para rastrear alimentos até provedores de seguros que conectam mais de 100 hospitais para acelerar as reclamações, o uso de blockchains está se tornando amplo e variado. Algumas das maiores empresas do mundo, incluindo empresas como Facebook, Google, Ant Financial e Baidu, estão lançando produtos que irão impactar o ecossistema.

Com empresas de milhões e bilhões de dólares se envolvendo no espaço, esperamos ver um foco renovado na experiência do usuário e tornar mais fácil para desenvolvedores e consumidores interagir com a tecnologia blockchain. A usabilidade ainda é o maior calcanhar de achilles do cryptomercado. Assim como o usuário médio do Gmail não sabe nada sobre SMTP (Simple Mail Transfer Protocol), em breve veremos os aplicativos blockchain sendo usados ​​sem que os usuários estejam cientes da tecnologia em si.

Reguladores estão se familiarizando com o potencial inovador dos blockchains

Reguladores em todo o mundo estão rapidamente  estabelecendo consultas, forças-tarefa e workshops para descobrir como equilibrar a proteção e a inovação ao consumidor. Mais notavelmente, o trimestre teve o FSB (Conselho de Estabilidade Financeira) do G20 sugerindo que os tokens não representam uma ameaça à estabilidade dos mercados financeiros globalmente. Eles seguiram com o comentário em julho com uma estrutura para ajudar os países membros a avaliar os riscos envolvidos na habilitação de mercados baseados em tokens em sua jurisdição. O que não temos visto com muita frequência e empenho por parte da CVM e do Bacen pelas terris Brasília. O Brasil como sempre andando na contramão do restante do mundo. Contudo, ainda há esperança. O BNDES está empenhado no desenvolvimento do ecossistema de Blockchain no Brasil. Como já reportamos aqui em primeira mão nesse portal.

A estrutura do FSB considera os riscos decorrentes de vendas de token público, futuros baseados em tokens e infraestrutura bancária usados ​​para suportar as transações em cryptoativos. Da mesma forma, Christine Lagarde, do Fundo Monetário Internacional (FMI), comentou sobre a necessidade de ser cauteloso quanto a regulamentações rígidas, pois elas podem sufocar a inovação genuína que os DLT e os blockchains representam.

Resumindo: ignore os mercados. Esqueça um pouco a especulação. Estude mais sobre o impacto que essas tecnologias estão realmente trazendo à sociedade. Investir no aprendizado agora fará toda a diferença.
O ecossistema está amadurecendo. Ele está crescendo, tornando-se mais diversificado e atendendo a mais casos de uso do que nunca. É um momento emocionante se você puder ignorar os mercados.

Siga-nos no Telegram   no WhatsApp   no Twitter

%d blogueiros gostam disto:

Nossa Newsletter

Inscreva-se para a nossa newsletter!

[mc4wp_form id="1627"]