Banco Central venezuelano quer adicionar saldo em crypto da PDVSA à reservas cambiais

 

O Banco Central da Venezuela está realizando um teste para se certificar se pode poderia adicionar Bitcoin e Ether como parte de suas reservas internacionais, de acordo com um relatório publicado pela Bloomberg.

A Petroleos de Venezuela SA (PDVSA) – uma empresa estatal de petróleo e gás natural – teria apresentado um pedido formal para que o Banco Central venezuelano pagasse a seus fornecedores, em seu nome, usando suas reservas de Bitcoin e Ether. Não se sabe como a PDVSA obteve essas reservas.

A PDVSA certamente não conseguiria descarregar todo seu saldo em alguma corretora de porte, devido a vários fatores, entre eles a liquidez no book e certamente seria recusada pela maioria das plataformas por causa das sanções econômicas impostas pelo governo dos EUA.

No ano passado, a Venezuela lançou uma cryptomoeda baseada em petróleo chamada Petro, que foi distribuída por meio de uma oferta inicial de moedas (ICO). Para incentivar sua adoção, o líder venezuelano Nicolas Maduro ordenou que o maior banco do país o aceitasse, entre outras medidas. Leia mais aqui.

Contudo, é importante frisar que o governo com seu aparato de segurança e inteligência, há tempos vem confiscando equipamentos de mineração e prendendo qualquer um que se aventure a minerar cryptomoedas em seu território, como relatado aqui.

A Venezuela possui o maior volume de transações de Bitcoins das Américas. No dia 02 de setembro foram transacionados na Plataforma P2P Localbitcoins cerca de 2.487 BTC. Na mesma data no Brasil foram transacionados somente 527 BTC. 

%d blogueiros gostam disto:

Nossa Newsletter

Inscreva-se para a nossa newsletter!

[mc4wp_form id="1627"]