Mercado de geração de energia descobre como usar Blockchain

O mercado de energia vem descobrindo aos poucos como fazer uso da inovação trazida pelas soluções de blockchain e a rede Ethereum tem sido a infraestrutura escolhida por todas as soluções oferecidas no mercado.

A indústria de energia contém alguns dos casos de uso mais valiosos para a tecnologia blockchain. As soluções de Blockchain funcionam melhor quando se trata de mercados descentralizados e, com o advento da microgeração renovável, os mercados de energia estão rapidamente buscando soluções que lhe deem escala e inovação. Uma indústria que poderia ser fortemente afetada pela tecnologia.

Os mercados de energia são a próxima fronteira para a tecnologia blockchain. Com o advento da microgeração, as redes de energia estão sendo divididas em uma malha de clientes que são consumidores e produtores em micro escala. Principalmente pela adoção de baterias de íon-lítio e energia solar, itens industriais que estão ficando a ano mais baratos e acessíveis.

As redes atuais foram construídas para fluxo de energia unidirecional, com o dinheiro fluindo ao contrário. Na equação da geração e distribuição atual, há poucos produtores para muitos consumidores, com o advento e mesclagem de baterias de íon-lítio, placas solares e blockchain espera-se alterar o fluxo dessa oferta. A reengenharia da rede física é um desafio, mas a reengenharia da rede de pagamentos é um desafio diferente.

Um mercado de energia pode ser construído via blockchain usando contratos inteligentes no estilo uniswap. Uma solução que vislumbra uma mudança radical em um mercado que é majoritariamente controlado por forças estatais e que demandam capital intensivo, nas configurações atuais.

 

Casos de uso com blockchain

A rede espanhola de lojas de departamento El Corte Inglés certificará o uso de energia renovável por meio de blockchain. É uma aliança do conglomerado ibérico com o grupo EDP (Energias de Portugal) que servirá para autenticar uma possível redução nas emissões de CO2 e no uso real de energia limpa.

A energia será gerada a partir de cinco parques eólicos distribuídos em Málaga, Sevilha e Cádiz, com capacidade de 169,4 MW, segundo a EDP. O projeto será realizado pela EDP Renováveis, subsidiária da EDP que atua no setor de energia renovável. Nesta primeira etapa, será utilizado em estabelecimentos em Málaga, Sevilha e Campo de las Naciones (Madri).

O objetivo é que o El Corte Inglés mantenha um registro, em tempo real, da energia consumida nesses estabelecimentos, usando o Blockchain Energy Tracking, um dispositivo para o certificado de origem de energia limpa.

Surgimento de um mercado descentralizado na geração de energia

Outro caso interessante a se destacar é o do distribuidor de energia na cidade de Alberta na Austrália, o Operador do Sistema Elétrico de Alberta (AESO), que criou uma bolsa para compra e venda de energia diretamente para os consumidores que possuem sua própria geração doméstica de energia.

Os geradores em Alberta recebem o preço do pool pela eletricidade que geram e fornecem à rede em Alberta. Mas como esse preço do pool é determinado?

Um princípio importante em Alberta é que toda a eletricidade comprada e vendida é feita por meio de um mercado atacadista competitivo chamado Power Pool. O AESO opera a rede e também opera o Power Pool. Não se trata exatamente de uma operação realizada via blockchain, mas sinaliza como o mercado descentralizado de geração de energia pode ser implementado sem esforço e de forma eficiente.

%d blogueiros gostam disto:

Nossa Newsletter

Inscreva-se para a nossa newsletter!

[mc4wp_form id="1627"]