Precisamos voltar a falar sobre mineração

O Bitcoin está entrando em uma espiral de morte induzida por mineiros que estão se mobilizando para criar o seguinte cenário: os preços do Bitcoin caem, mineiros marginalmente lucrativos se fecham ad infinitum, até que todos os médios e pequenos mineiros desistam e não haja mais pequenos competidores.
Os mineiros, que são estritamente racionais a curto prazo, optariam então por desligar todos os seus equipamentos ou minerar cryptomoedas alternativas.

Para o contexto, o ajuste de dificuldade do Bitcoin não acontece a cada duas semanas. A dificuldade de minerar um bloco Bitcoin é naturalmente ajustada pelo sistema a cada bloco de 2016, o que probabilisticamente leva em média a intervalos de duas semanas.

A dificuldade de mineração do Bitcoin caiu 15% na segunda-feira, marcando a segunda maior queda na história do Bitcoin e a maior queda na era das ASIC (que começou no início de 2013). A maior queda na história foi registrada em novembro de 2011, quando a dificuldade diminuiu em 18%. No entanto, a dificuldade atual ainda é aproximadamente a mesma de julho, pouco mais de quatro meses atrás.

 

Portanto fica sutilmente claro que há uma orquestração entre os grandes pools e grandes mineiros para desestimular os pequenos mineradores, afim de se obter uma posição mais favorável em outro momento, quando mercado estabilizar.

Esta é a teoria do pesquisador Nic Carter, baseada na teoria dos jogos. Mas há muitas controvérsias aí e o debate sobre corre solto no Twitter.

 

 

Siga-nos no Telegram   no Instagram no WhatsApp   no Twitter

 

Empreendedor, Cientista de Dados e cryptopesquisador.