Série ICO: O mercado nacional tá preparado para uma exchange sem taxas? Tá sim, senhor – Clube Bitcoin

Muitas pessoas se perguntam como as exchanges chinesas geram dinheiro cobrando taxas 0%. Na Europa, no Brasil e nos EUA, é normal pagar uma taxa de negociação em cada compra ou ordem de venda. Mas na China, essas taxas não se aplicam, pois todas as transações são executadas com taxa de 0%. Lá as taxas não incidem sobre as transações, mas sobre a operação. Visto que todas cobram um ágio sobre os preços dos ativos mais negociados no dia e em horas específicas do dia.

Isso levanta a questão de como as exchanges chinesas fazem dinheiro. É algo sui generis, pensar que elas transacionam uma tonelada de volume de negócios todos os dias e não cobrar taxas parece bastante estranho. Então, novamente, comprar nas exchanges chinesas estará sempre sujeito a pagar um preço premium(ágio), que pode variar entre  3 a 8% dependendo do horário de compra. A taxa de empréstimos em Bitcoin na maioria das plataformas chinesas é de 0,1% em média. Plataformas como a Poloniex oferecem taxas tão baixas quanto 0,04%. Houve há pouco tempo uma atualização sobre as taxas na Poloniex, como já anunciado aqui em primeira mão.

As taxas são o grande filão das exchanges. Como já noticiado aqui nesse portal, em um especial exclusivo. As maiores exchanges do mundo, como Binance e Huobi movimentam milhões por dia. As 10 principais exchanges estão gerando US$3 milhões em taxas por dia, cerca de US$1 bilhão por ano.

Binance movimenta cerca de US$ 500 milhões todos os dias, dos quais a empresa cobra uma taxa de 0,1% – o que equivale a 0,005% se os usuários pagarem comissão e taxas em Binance Coin (BNB). Em seu primeiro trimestre encerrado em outubro, a empresa reportou um lucro de cerca de US$ 7,5 milhões em comissões.

Binance é a maior exchange do mundo por volume de transações, processando mais de US$ 2,5 bilhões em transações. OKEx e Upbit, da Coréia do Sul, processaram mais de US$ 2,1 bilhões em transações.

De onde vem, portanto, tanto lucro e tanta potência? – A resposta está no binômio: taxas e ágio sobre as operações em cryptomoedas. As exchanges ganham fortunas diárias com taxas e cobrando algum ágio sobre os preços de muitos cryptoativos.

As 10 principais exchanges estão gerando US$ 3 milhões em taxas por dia, cerca de US$1 bilhão por ano, segundo estimativas compiladas pela Bloomberg, a partir de dados coletados pela CoinMarketCap e informações sobre taxas nos sites das próprias exchanges.

As exchanges estão gerando milhões em receita de negociação por dia e nos faz refletir sobre por que não há uma exchange que não siga outro plano de negócio? As taxas parecem ser o grande filão desse mercado, não é mesmo? O quanto que se perde em lucratividade em trade, na mão das exchanges? Perdas que fazem a diferença para quem vive de day trade. Um day trader para ter lucro em suas atividades precisa ter em média uma lucratividade média de 0.5 a 1% por dia em suas transações, numa transação realística e especulando com as altas que possam acontecer naquele dia. Se a exchange ficar com 2% dessa lucratividade que é a média da corretagem das exchanges no Brasil, o day trader perdeu dinheiro.

Por isso que projetos que tem por alvo eliminar esse latifúndio no Brasil é muito bem-vindo. O Clube Bitcoin é um projeto que trará essa realidade para os investidores no Brasil. O projeto de uma nova exchange que promete que os seus membros não pagarão nenhuma taxa de comissão sobre as operações de compra, venda, depósitos ou saques, tanto em Reais quanto em cryptomoedas, está se tornando realidade – Clube Bitcoin.

Clube Bitcoin será uma exchange que terá como meta, a não cobrança de taxas para transações e para tornar esse plano realidade, ela será lançada, assim como fora a Binance e a Kucoin que lançaram ICO’s para iniciarem suas atividades. Sem dúvida, um projeto inovador no cenário já pulverizado de exchanges no Brasil, no qual seguem sempre o mesmo modelo de negócio: a cobrança de taxas.

Siga-nos no Telegram   no WhatsApp   no Twitter

 

 

%d blogueiros gostam disto:

Nossa Newsletter

Inscreva-se para a nossa newsletter!

[mc4wp_form id="1627"]