Hackers que invadiram celulares de Moro e procuradores da Lava Jato movimentavam grandes quantias em Bitcoin

Um dos hackers presos no caso do ministro Sérgio Moro movimentava criptomoedas na internet. Conhecido como Gustavo DJ, o acusado comprava e vendia bitcoins. As movimentações de criptomoedas do acusado deverão ser analisadas pelo Ministério Público. As informações sobre a compra e venda da criptomoeda foram prestadas pelo próprio advogado que defende o acusado.

Três exchanges brasileiras deverão prestar informações sobre a suposta movimentação financeira do acusado, entre elas estão: Foxbit, Mercado Bitcoin e Braziliex. 

De acordo com o despacho do juiz Vallisney de Souza Oliveira, publicado no site do Antagonista,  todas as movimentações realizadas de 01/01/2018 até esta quarta-feira (23) deverão ser informadas à justiça. Mercado Bitcoin, Braziliex e Foxbit foram intimadas a fornecer informações sobre possíveis carteiras digitais em nome dos quatro citados na ação judicial.

O Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF) pediram dados do hacker às três corretoras afim de confrontar sua movimentação e por conseguinte atividade financeira. Segundo seu advogado o volume de dinheiro era resultado de movimentação diária e não se trata de saldo nominal. Conforme, divulgado no Jornal da Globo, na madrugada dessa quinta.

%d blogueiros gostam disto:

Nossa Newsletter

Inscreva-se para a nossa newsletter!

[mc4wp_form id="1627"]