Connect with us

Bitcoin

Bolsa brasileira terá primeiro ETF de bitcoin da América Latina

Oferta primária do QBTC11, da QR Asset Management, gestora de recursos da holding QR Capital, deve movimentar R$ 500 milhões e o ETF chegar aos homebrokers dos investidores brasileiros ainda neste semestre

 

A última fronteira entre o pequeno investidor e o mundo das criptomoedas pode estar prestes a ser rompida. A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) aprovou o primeiro ETF de bitcoin da história da bolsa brasileira, a B3, a pedido da QR Asset Management, gestora de recursos da holding QR Capital.

A iniciativa é pioneira, já que o ETF (Exchange Traded Fund, também conhecido como fundo índice, negociado em bolsa) é o primeiro da América Latina atrelado ao bitcoin e apenas o quarto entre países que compõem o G20 (grupo das maiores 20 nações economias do mundo). Além do Brasil, apenas o Canadá tem os outros três ETFs de bitcoin. O primeiro a ser lançado foi o Purpose Bitcoin ETF.

Com a “benção” do regulador do mercado, a QR Capital abrirá a captação de oferta primária que deve movimentar R$ 500 milhões, informou Fernando Carvalho, fundador e diretor executivo da holding QR Capital, ao Valor Investe.

Segundo o executivo, os investidores em geral poderão negociar o novo ETF com o ticker/código QBTC11 em qualquer homebroker (sistema de negociação das corretoras pela internet) possivelmente até o fim deste semestre. As negociações podem ser liberadas antes na bolsa, a depender da velocidade dos trâmites da oferta primária.

O ETF da QR Capital irá replicar o preço médio do bitcoin das principais corretoras reguladas da criptomoeda no mundo e o fornecedor do índice será a CF Benchmarks, que é o mesmo usado pelos contratos futuros da Bolsa de Mercadorias de Chicago (Chicago Mercantile Exchange – CME), primeiro instrumento regulado de bitcoin dos Estados Unidos.

No caso do ETF de bitcoin canadense, os custos e taxas foram estimados em 1%. Carvalho ainda não pode revelar detalhes sobre a taxa do ETF brasileiro, mas garante que a alíquota será mais vantajosa para o investidor do que de fundos de investimentos comuns. “Será barato, dado que é um fundo que não tem taxa de performance”, diz.

O “namoro” para levar o novo produto aos investidores brasileiros começou no apagar das luzes de 2020 e recebeu o aval na quarta-feira (17). “Estudamos profundamente a Instrução 359 da CVM [que trata de ETFs] e estendemos os desafios que existiam em relação ao produto bitcoin. Hoje entendemos que a infraestrutura está pronta para o que estamos propondo”, diz Carvalho.

Fonte: Valor Investe

Empreendedor, Cientista de Dados e cryptopesquisador.

Click to comment

More in Bitcoin

To Top