Vale lança projeto que marca estreia da Tesla no Brasil

A Vale terá a primeira planta industrial no Brasil a ter fornecimento de energia para suas operações com baterias da Tesla. O sistema usa a energia armazenada em baterias para gerar eletricidade em um complexo industrial, situado na Ilha de Guaíba na Baía de Sepetiba, em Mangaratiba, em parceria com a MicroPower e a Siemens.

A Micropower pertence a Marco Krapels, ex-vice-presidente de expansão internacional para energia solar e armazenamento da Tesla, a fabricante de carros elétricos do bilionário Elon Musk, trocou a Califórnia pelo Brasil, onde pretende fazer deslanchar uma empresa que produz grandes baterias.

O uso inédito das baterias no Terminal de Guaíba segue a mesma lógica das baterias usadas nos carros elétricos, de substituição de energia. A intenção da Vale é substituir a energia que é consumida da rede elétrica que vem do sistema elétrico convencional e que possui picos demanda nos horários entre 18h e 21h, quando a atividade industrial fica mais cara para a Vale.

O valor do projeto não divulgado, contudo, a MicroPower forneceu todo o maquinário e sua remuneração será baseada no quanto a Vale economizar de fato por ano, com o uso intensivo das baterias da Tesla.

Sobre a MicroPower e a Tesla

Krapels comanda a MicroPower-Comerc, com sede em São Paulo, numa parceria com a Siemens. A empresa aposta nas grandes baterias móveis como alternativa para reduzir o uso de geradores a diesel durante blecautes no país.

Krapels começou a explorar o potencial de baterias no Brasil quando trabalhou na SolarCity, adquirida pela Tesla em 2016. O executivo buscava um grande mercado com uma rede elétrica ocasionalmente instável e sem subsídios significativos do governo. O Brasil cumpria todos os requisitos. O Brasil possui a base instalada de energia renovável do mundo, contudo, ainda possui uma rede elétrica instável e onde muitas vezes não chega o fornecimento adequado para atividades industriais.

A Siemens através do seu braço de investimentos, comprou 20% da MicroPower, logo depois a Comerc, uma trading e gestora de energia de São Paulo, comprou uma participação na empresa há cerca de 18 meses.

Franca expansão do mercado de baterias de íon-lítio

A agência Bloomberg prevê que a capacidade global de armazenamento de baterias suba dos atuais 29,4 gigawatt-hora para 710,6 gigawatt-hora em 2029. Os custos das baterias de íon-lítio devem cair para cerca de US$ 135 por quilowatt-hora em 2020. Em 2025, o mercado global de baterias de íon-lítio deverá dobrar de tamanho, atingindo cerca de US$ 71 bilhões. Isso demonstra uma demanda impressionante por armazenamento de energia em todo o mundo e pode ser atribuído ao fato de que o mundo está se movendo em direção a uma economia baseada em energia renovável, onde os veículos elétricos desempenham um papel cada vez mais importante e as inovações trazidas pelos carros elétricos da Tesla estão reaquecendo o mercado.

Contudo, é importante frisar que o mercado de armazenamento no Brasil, no entanto, é insignificante. Sempre houve demanda, mas não havia fornecedores habilitados, para atender a demanda industrial, comercial e hoteleira.

%d blogueiros gostam disto:

Nossa Newsletter

Inscreva-se para a nossa newsletter!

[mc4wp_form id="1627"]