Como o banimento dos anúncios sobre criptoativos impactou os negócios das exchanges no mundo

De acordo com um ação coletiva empreendida por empresas ligadas à criptoeconomia na Austrália, devido ao banimento de anúncios sobre criptomoedas das plataformas do Google, Facebook e Twitter. Pelo tamanho da perda calculada no processo que pode custar US$ 300 bilhões aos gigantes das redes sociais, podemos inferir o tamanho do estrago sobre o mercado de criptoativo em geral. Os autores dizem que seus negócios foram prejudicados pelo Google, Facebook e Twitter, proibindo anúncios de criptografia em suas plataformas.

O banimento aconteceu em épocas diferentes, mas tudo em torno do ano de 2017, durante o boom das ICO, que em grande medida não deram muita margem para defesa. Afinal, a maioria das campanhas estavam ligadas a algum projeto que não chegou a lugar algum. Contudo, toda a criptoeconomia sofreu esse revés.

De acordo com a ação protocolada na justiça australiana, baseada na lei australiana consumo e competição, afirma que a queda dos negócios da exchanges australianas foi da ordem de 60 a 90%. O JPB Liberty,escritório que representa as partes e ajuizou a ação, acrescentou que os três gigantes das mídias sociais juntos “controlam uma porcentagem muito grande do mercado de publicidade on-line (mais de 66% da receita de anúncios digitais dos EUA em 2018 e mais de 80% da receita de anúncios de mídia social)”. A proibição de suas plataformas – incluindo Google, Facebook, Instagram, Twitter, Whatsapp e Youtube – prejudicou gravemente a maneira como as empresas de criptografia adquiriam clientes.

O marketing e a adoção em torno das criptomoedas sofreram fortemente, nas semanas seguintes ao banimento. O Bitcoin não conseguiu se recuperar da profunda queda em janeiro de 2018 desde que atingiu quase US$20 mil em dezembro de 2017.

Após um breve período sendo negociado a US$10.000, o Bitcoin afundou na em mais de US$1.000 após o anúncio do Google em 14/03/2018 de que proibiria os anúncios relacionados às ICO até junho de 2018. Após esse anúncio, apesar de algumas pequenas subidas entre US$ 8.100 e US$ 8.500, o preço caiu para um mínimo de US$7.600.

O movimento de queda observado provavelmente decorreu do anúncio do Twitter de que começaria a proibir os anúncios ligados à criptoeconomia.

Quanto aos efeitos nas exchanges brasileiras

Não há dados fechados sobre o efeito do banimento dos anúncios na criptoeconomia no Brasil. O mercado ainda estava muito aquecido no período, tendo gozado de ampla publicidade nos meios de comunicação tradicionais, por conta do rali do Bitcoin no final de 2017 e início de 2018. A Foxbit por exemplo, era manchete nos jornais, pois não dava conta de tantos cadastros de clientes.

Em conversa com Tasso Lago, da Financial Move e Daniel Coquiere, CEO da Bitcointrade, ambos relembram que sofreram pouco com o banimento, pois seu Custo de Aquisição de Clientes (CAC) na época não era muito alto, pois utilizavam canais secundários para obtenção de clientes, tais como blogs oficiais e canais no Telegram.

Tasso para contornar a proibição de anúncios, passou a classificar seus produtos financeiros como educacionais e não mais como financeiros.

 

 

%d blogueiros gostam disto:

Nossa Newsletter

Inscreva-se para a nossa newsletter!

[mc4wp_form id="1627"]